“Não era isso o que eu queria”, diz Clécio sobre saída da Rede Sustentabilidade

Prefeito diz que todos no partido já sabiam de seu apoio a Josiel Alcolumbre e reclama dos ataques da ex legenda: “Agora não presto mais”.

Cleber Barbosa, da Redação

O prefeito de Macapá, Clécio Luís, reclamou em entrevista sobre a postura adotada pelo agora ex partido, a REDE SUSTENTABILIDADE, que manifestou publicamente pedido para que ele se desfiliasse da legenda após ter anunciado que vai apoiar a candidatura de Josiel Alcolumbre, do DEMOCRATAS. Nos bastidores, vem sofrendo ataques e acusações como ter traído a esquerda e virado bolsonarista. “Não posso ter prestado até ontem e agora não presto mais”, disse ele.

Em entrevista ao programa LuizMeloEntrevista, na Diário 90,9 FM, Clécio disse ter comunicado essa decisão ao líder maior da REDE, o senador Randolfe ainda em fevereiro e que o anúncio só não foi público devido a circunstâncias como o naufrágio do navio Anna Caroline e a própria pandemia.

Dizendo ainda se considerar amigo pessoal do senador e do advogado Ruben Bemerguy, disse que tentava buscar a melhor alternativa para a condução dessa aliança com o DEMOCRATAS. “Não era isso o que eu queria, mas sim combinar com o partido o que poderia ser melhor, como me licenciar, me afastar, enfim, o que fosse melhor para a REDE inclusive, mas isso não aconteceu e logo em seguida veio a nota, que considerei agressiva e que não condiz com a verdade”, ponderou.

O prefeito também disse que a aliança com o senador Davi não é de agora, quando virou presidente do Congresso Nacional. Lembrou que a própria indicação da vice-prefeita na chapa, Telma Nery, foi do DEMOCRATAS e que a parceria frutificou em inúmeras ações, projetos e parcerias, culminando com a eleição de Davi à presidência do Senado, quando tudo foi potencializado.

“Nós estávamos vivendo uma oportunidade nova, imperdível, não para mim, pois se fosse pensar só em mim estaria tratando da sucessão, mas naquele momento estava decidido a conseguir recursos para Macapá com as ascensão do Davi, então nós trabalhamos o ano de 2019 inteiro captando recurso, fazendo projetos correndo atrás de ministérios, foram ‘n’ viagens a Brasília e os frutos estão aí, a cidade é um canteiro de obras e isso não é pra mim, então na minha cabeça não iria tratar de política naquele ano, só em 2020, o ano de eleição”, disse.

Por fim, disse que espera que após uma eleição de 80 dias, tais situações sejam superadas, pois não é o fato de não estar junto de determinadas lideranças durante uma eleição que passará a tê-las como inimigas. “Fiz uma opção, que acredito ser acertada, o Josiel não é melhor do que ninguém, ele reúne as melhores condições hoje, não só para Macapá, mas para o Amapá para a continuidade desse projeto que foi construído a muitas mãos”, concluiu.

Publicidade (x)

você pode gostar também

- Publicidade -

Comentários
Carregando...