Gove Header

“Polícia Militar é a que mais protege o cidadão”, diz comandante da PM-AP

Coronel Paulo Matias vai ao rádio e rebate críticas de que a corporação é a que mais mata no Brasil.

Cleber Barbosa, da Redação

O comandante-geral da Polícia Militar do Amapá (PM-AP), coronel Paulo Matias, foi ao rádio nesta segunda-feira (28) fazer um balanço do ano e também alertas sobre o Réveillon, quando aproveitou para rebater as críticas de que a PM do estado é a que mais mata em todo o país. “Somos a polícia que mais protege o cidadão, mesmo que isso resulte em balear um meliante que atire contra nossos policiais”, disse o militar.

Ele concedeu entrevista ao programa Café com Notícia, na Diário FM (90,9), dando detalhes sobre a formação de oficiais e praças da corporação, afirmando que esse é um processo diário de estudos e aperfeiçoamento.

 

“Todas as nossas operações e abordagens obedecem a uma padronização chamada POP, que significa Procedimento Operacional Padrão, do início ao fim, o que vale para a abordagem a uma motocicleta, uma reintegração de posse ou até um assalto a banco como tivemos hoje à tarde no Centro da cidade”, disse Matias.

O comandante disse que mesmo durante a pandemia a PM-AP sentiu a necessidade de garantir a continuidade desses treinamentos e capacitações, sendo realizados ao longo do período sete cursos de aperfeiçoamento de militares, além das formações acadêmicas, em nível de graduação, mestrado e até doutorado para oficiais superiores.

Correição

Ele diz que quando qualquer cidadão denuncia qualquer procedimento que exceda ou destoa daquilo que é preconizado pela corporação, tais denúncias são encaminhadas para a Corregedoria Geral da Polícia Militar, um setor que ele reputa como muito eficaz e eficiente para a instituição. “Dependendo da situação a Corregedoria abre um procedimento administrativo, que pode ser uma sindicância ou um inquérito, que pode ou não ser levado adiante, para a Justiça”, explicou.

Racismo

Sobre o caso envolvendo uma denúncia de agressão e violência policial contra uma professora negra em Macapá, em setembro deste ano, Paulo Matias afirmou que a Corregedoria já concluiu o IPM [Inquérito Policial Militar] e remeteu os autos para o Ministério Público do Estado, que poderá assim ofertar denúncia ao Poder Judiciário. O teor da conclusão da apuração interna não chegou a ser divulgado, pois a PM-AP aguarda manifestação do promotor de justiça da alçada militar.

Réveillon

Por fim, o comandante da PM-AP, que inclusive já comandou o Batalhão de Operações Especiais, o BOPE, fez novas orientações à população sobre regras básicas de segurança para as festas da virada de ano. Em regra geral, que não se deixe as casas totalmente vazias ou abandonadas, sendo prudente solicitar que algum familiar ou vizinho faça visitas periódicas ao imóvel em caso de viagem ou passeios, para não deixar visível aos meliantes que a residência está sem ninguém. Ele também comentou sobre o assalto ocorrido na cidade, quando um empresário perdeu uma quantia de R$ 30 mil quando tentava fazer um depósito bancário. “A polícia pode prestar apoio a essas operações que são de risco, basta que qualquer empreendedor procure o comandante militar da área ou bairro que podemos sim prestar esse apoio”, concluiu.

Publicidade (x)

você pode gostar também

- Publicidade -

Comentários
Carregando...