- Publicidade -

- Publicidade -

“Não houve rompimento”, diz Jaime sobre nota do GEA desautorizando decisão de Comitê

Comitê presidido pelo vice-governador estuda normatizar atividades comerciais, mas vazamento de documento fez Setentrião frear tal possibilidade por enquanto.

Cleber Barbosa, da Redação

Os bastidores da política local se agitaram nesta sexta-feira (10) com um suposto litígio entre o governador Waldez Góes (PDT) e seu vice, Jaime Nunes (PROS). O ponto de discórdia teria sido a emissão de uma nota do Palácio do Setentrião em que o Governo do Estado desautoriza uma portaria do Comitê de Decisões Estratégicas – presidido pelo vice-governador. Mas a suposta portaria sequer foi publicada e sua existência é atribuída a um provável vazamento, que não se tem ideia da autoria.

Procurado pela reportagem, Jaime Nunes tratou de minimizar o episódio. “Estão especulando demais nas redes sociais. Não houve rompimento algum entre mim e o governador”, disse ele.

Jaime informou que recebeu por parte da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Amapá, a Fecomércio-AP, um estudo técnico que poderia ser utilizado em um foro próprio que pudesse ajudar o Estado a normatizar o funcionamento de algumas atividades econômicas durante esse período de pandemia pelo novo Coronavírus, como o teletrabalho e as entregas do formato “Delivery”.

Ocorre que a manifestação foi deturpada quando ganhou as redes sociais, quando o “normatizar” foi interpretado como “normalizar” o funcionamento do comércio, levando o palácio do governo a agir rápido e soltar a nota de esclarecimento – que encerra qualquer possibilidade de se cogitar a reabertura do comércio local por enquanto. Segundo o documento, os esclarecimentos foram em conjunto com as prefeituras de Macapá e Santana. De acordo com o documento, a portaria 002/2020, editada pelo Comitê de Decisões Estratégicas, não tem qualquer efeito legal.

“Tudo normal”

Já a assessoria de Waldez também rechaça qualquer estremecimento entre ele e o vice. Por telefone, o secretário de comunicação do Estado, jornalista Gilberto Ubaiara, disse que o entendimento é realmente de houve um vazamento indevido e que o governo segue com o posicionamento de que a melhor estratégia, por ora, é mesmo o distanciamento social entre as pessoas. “Até porque houve um aumento importante no número de casos confirmados de Coronavírus no Amapá, mas entre o governador e o vice segue tudo normal, tanto que a nota em conjunto também teve a anuência de Jaime Nunes”, explicou o secretário.

A nota do Governo

Publicidade (x)

você pode gostar também

- Publicidade -

Comentários
Carregando...