- Publicidade -

- Publicidade -

Governo Federal “devolve” o marco zero da rodovia Macapá-Clevelândia

Estrada já teve várias denominações, como Trans-Amapá e BR-15, correspondente hoje à BR-210. Como BR-156, alcança a divisa do Brasil com a Guiana Francesa.

Cleber Barbosa, da Redação

Quem sai da cidade de Macapá pela BR 210 percebe a instalação de um pequeno monumento de pouco mais de um metro de altura com a inscrição “Macapá-Clevelândia”. O trecho está recebendo obras de manutenção e a “devolução” do pequeno obelisco vem sendo comemorada, pois resgata fatos históricos. Trata-se do Marco Zero da rodovia federal e pode ter mais de 70 anos de idade, segundo o historiador amapaense Nilson Montoril, que diz ter sido implantado pelo primeiro governador do então Território Federal do Amapá, na década de 40.

Mas não foi Janary Nunes quem iniciou a obra. “Ele chegou aqui e já encontrou os primeiros 25 quilômetros abertos, mas o traçado original não era esse, pela zona norte de Macapá, no bairro de São Lázaro e Jardim Felicidade. A estrada começava na área central de Macapá e o marco zero da estrada ficava onde hoje é a Praça da Bandeira, pois ali ao lado, era a pista de pouso da cidade, hoje Av. FAB”, relembra Montoril.

O trajeto passava pela área onde hoje está a Av. Padre Júlio Maria Lombaerd, tanto que já houve outra tentativa de recolocar o marco zero da estrada em frente ao Abrigo São José, segundo relembra o jornalista João Lázaro, outro profissional dedicado à memória e acontecimentos históricos do Amapá. Ele pilota o blog Porta Retrato, recheado de fotos, documentos históricos e depoimentos dos pioneiros.

A estrada seguia em direção à Lagoa dos Índios e depois uma área onde anos depois foi instalada a estação de passageiros da Estrada de Ferro do Amapá (EFA) e de lá tomava uma curva à direita, seguindo até onde hoje está instalado o Posto da Polícia Rodoviária Federal, um trecho de rodovia chamado “Km 9”. A via seguia até a entrada da comunidade da Pedreira, onde ficava o quilômetro 25 e dali em diante era apenas caminhos, abertos de forma manual mesmo.

Periferia

Segundo o professor Nilson Montoril, que assina a coluna Coisas Nossas, no jornal Diário do Amapá, esse traçado diferente do atual, se justificava pelo fato de que não se tinha meios à época de atravessar o Lago do Pacoval – hoje bairro do Pacoval. “Macapá não tinha automóveis àquela época, apenas poucos caminhões, as pessoas utilizavam mesmo eram carroças naqueles primeiros anos”, diz o historiador.

Ele diz ainda que o então governador Janary Nunes depois batizou a “Macapá-Clevelândia” como “Rodovia Trans-Amapá”, pois ligaria o Rio Amazonas ao Rio Oiapoque, no extremo norte do Brasil. A rodovia alcançou esse objetivo, mas até hoje jamais foi totalmente pavimentada, restando um trecho de pouco mais de 100 quilômetros para chegar em Oiapoque, valendo-se inclusive o apelido de “vovó das rodovias federais” do Brasil.

Posicionamento

Superintendente interino do DNIT no Amapá, Gustavo Defilippo | Foto: Arquivo

A reportagem do portal ConexãoBrasília buscou mais informações na Superintendência do DNIT no Amapá sobre onde estava e o porquê da decisão de devolver o monumento do Marco Zero da estrada ao ponto inicial da rodovia, em seu traçado atual, mas o atual superintendente Gustavo Defilippo não poderia gravar entrevistas, recomendando que essas informações fossem buscadas junto à assessoria de imprensa da direção nacional do órgão, em Brasília. Isso será feito nos próximos dias, quando o órgão poderá finalmente se posicionar a respeito.

Placa

A única manifestação oficial do DNIT no Amapá está se dando através da placa publicitária da obra que ganhou de volta o monumento inicial da estrada. Nela, conta que a contratação é para “manutenção (conservação/recuperação) rodoviária da BR-210”, desde o quilômetro zero da BR-156, na Cachoeira Santo Antônio, no Rio Jari, até a fronteira do Brasil com a Guiana Francesa. O valor do investimento é de R$ 5,5 milhões e está a cargo da empresa M.R. Construções Ltda., com prazo de dois anos de execução, contados a partir do dia 27 de abril de 2020.

Acompanhe vídeo com a entrevista de Nilson Montoril

Leia também:

Panorâmica das obras de recolocação do monumento que representa o “marco zero” da BR-210, construído quando ela se chamava “Macapá-Clevelândia”.

Publicidade (x)

você pode gostar também

- Publicidade -

Comentários
Carregando...