Gove Header MAIO LARANJA

Governo do Estado leva ajuda humanitária para comunidade rural Vila Nova

Ação levou segurança alimentar para 250 famílias que, atualmente, estão em vulnerabilidade social.

Da Redação

Nesta segunda-feira, 15, o Governo do Amapá atendeu a comunidade Vila Nova, no município de Porto grande, com mais uma ação humanitária de segurança alimentar e assistência social. Desta vez, foram alcançadas 250 famílias em situação de vulnerabilidade.

Este ano, é a segunda vez que o Governo realiza a ação dentro da comunidade. Em setembro, 300 famílias foram beneficiadas, totalizando 550 cestas entregues em 2021 – elas são compostas por 43 itens de alimentos básicos, como arroz, feijão, macarrão e proteínas  que podem alimentar até 4 pessoas de uma mesma família durante o período de 45 dias.

A dona de casa Danilse Trindade, de 35 anos, que é casada e mãe de 5 filhos, foi uma das beneficiadas. Ela relatou que mora na comunidade há 27 anos e, atualmente, está no mercado informal.

“Eu fico muito feliz por mim e por meus compadres que também estão recebendo essa cesta que vai ajudar nas despesas de casa”, destacou a dona de casa.

Seu José Rodrigues, de 61 anos, divide uma casa com o seu melhor amigo. Com um sorriso no rosto também enfatizou a alegria de  receber a cesta. Ele destacou que, apesar das dificuldades, ama o lugar onde vive.

“Gosto de levantar cedo, fazer meu cafezinho e ir atrás das minhas diárias para comprar a alimentação. Hoje, fiquei mais feliz ainda em receber essa cesta, pois vou dividir os alimentos com meu compadre, porque aqui é assim: a gente sempre reparte”, afirmou José.

A ação humanitária é coordenada pela Secretaria de Inclusão e Mobilização Social (Sims). De acordo com a gestora da pasta, Albanize Colares, é papel da assistência social prestar apoio à população.

“Esse atendimento socioassistencial prestado à comunidade garante a segurança alimentar e é um auxílio para que os moradores possam sair do risco social. As cestas são balanceadas e estão dentro da nutrição adequada para suprir a necessidade básica da população”, enfatizou a secretária.

A gestora frisou que várias ações humanitárias já foram realizadas pelo Governo durante o acontecimento de sinistros, como enchentes, vendavais e entre outros que colocam em risco o bem estar da população.

A interdição do garimpo que funciona em Vila Nova é um dos fatores que afetam diretamente a economia local, tendo em vista que muitos moradores  trabalham como garimpeiros.

O Governo, junto à prefeitura de Porto Grande e outros órgãos competentes, trabalha para atender às recomendações do Ministério Público para que o garimpo funcione de forma regular e que a economia da comunidade seja restabelecida.

Publicidade (x)
você pode gostar também

- Publicidade -

Comentários
Carregando...