- Publicidade -

- Publicidade -

Amapá prepara municípios para vacinação de crianças de 5 a 11 anos

Após autorização do Ministério da Saúde para vacinar crianças nesta faixa etária, o Governo do Estado qualificará os municípios.

Da Redação

O Governo do Estado iniciará a capacitação das prefeituras para a vacinação contra a covid-19 de crianças de 5 a 11 anos. A decisão do Ministério da Saúde (MS) de incluir este público no Plano Nacional de Imunização se deu através da Nota Técnica nº02/2022, na última quarta-feira, 5.

A capacitação será on-line, na próxima segunda-feira, 10, com todos os municípios e coordenada pela Unidade de Imunização da Superintendência de Vigilância em Saúde (SVS).

Para as crianças será utilizada a vacina com a tecnologia de RNA mensageiro. No Brasil, somente a Pfizer, que detém esta tecnologia, foi autorizada pela a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A previsão de chegada da vacina no Brasil é para o dia 14 de janeiro. Após essa data, o Ministério da Saúde enviará para todos os Estados.

No Amapá, a estimativa de crianças que devem ser vacinadas é de 113.557 nos municípios e 2.323 em terras indígenas (este público será responsabilidade do Distrito Sanitário Especial Indígena e envolve o Amapá e o norte do Pará – Dsei).

O Governo do Estado distribuirá as vacinas para todos os municípios, obedecendo todos os critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde, assim que as doses estiverem disponíveis.

A vacinação deste público segue os critérios estipulados pela Anvisa, como o treinamento das equipes que trabalharam com a imunização de crianças. A vacinação deverá ser feita em ambiente específico.

“A inclusão das crianças como público alvo no Plano Nacional de Vacinação é uma decisão acertada. Vamos iniciar a capacitação dos municípios e assim que tiver disponível as vacinas serão distribuídas aos municípios”, afirmou o superintendente Dorinaldo Malafaia.

Recomendações

Há, ainda, a recomendação de que o imunizante contra a Covid-19 nas crianças não seja administrada de forma concomitante a outras vacinas do calendário infantil, por precaução, sendo recomendado um intervalo de 15 dias entre outras vacinas. A Anvisa também não recomenda a modalidade drive-thru.

De acordo com o órgão, devem ser informados aos responsáveis os possíveis eventos adversos, como dor, inchaço, vermelhidão no local da injeção, febre, fadiga, dor de cabeça, calafrios, mialgia, artralgia, ou outras reações após vacinação.

Os pais ou responsáveis devem ser orientados a procurar o médico se a criança apresentar dores repentinas no peito, falta de ar ou palpitações após a aplicação da vacina.

Dose pediátrica

O frasco da vacina será diferenciado, de cor laranja, dose de 0,2ml, contendo 10 mcg da vacina contra a COVID-19, Comirnaty (Pfizer/Wyeth). Será utilizada uma seringa de 1ml. A Anvisa ainda recomenda que as crianças que completarem 12 anos entre a primeira e segunda dose devem continuar com a dose pediátrica da Pfizer.

A ordem de vacinação estabelecida pelo Ministério de Saúde será:

1 – Crianças de 5 a 11 anos com deficiência permanente ou com comorbidades;

2 – Crianças indígenas e quilombolas.

3 – Crianças que vivem em lar com pessoas com alto risco para evolução grave de covid-19,

4 – Crianças sem comorbidades, na seguinte ordem sugerida:

4.1 – crianças entre 10 e 11anos;

4.2 – crianças entre 8 e 9 anos;

4.3 – crianças entre 6 e 7 anos,

4.4 – crianças com 5 anos.

Publicidade (x)

você pode gostar também

- Publicidade -

Comentários
Carregando...