- Publicidade -

Clécio diz que nome de vice poderá sair de Santana na corrida pelo Setentrião

Ex-prefeito de Macapá anuncia que vai começar por Santana projeto de percorrer todo o estado para construir projeto de candidatura a governador em 2022.

Cleber Barbosa, da Redação

O ex-prefeito de Macapá, Clécio Luís (sem partido) confirmou em entrevista ao programa LuizMeloEntrevista, na rádio Diário FM (90,9) nesta terça-feira (11) que vai pegar a estrada estado adentro num projeto de se aprofundar no conhecimento sobre os problemas do Amapá e assim construir um projeto de disputar a eleição de governador do estado no próximo ano. Na noite anterior, falando ao programa Café com Notícia, na mesma emissora, ele admitiu que em uma futura chapa, o nome para a vice governadoria, poderá sair do município de Santana, onde ele vai passar a morar por um mês.

Ele explicou que o fato de ter se dedicado ao município de Macapá nos últimos anos, oito deles como prefeito e duas passagens pela Câmara Municipal como vereador, o fizeram ser mais conhecido na capital, como também um profundo conhecedor de suas mazelas e dificuldades, daí a ideia de não apenas conhecer, mas residir em algumas das principais cidades do interior, como Santana, Laranjal do Jari e Oiapoque.

A escolha de Santana para iniciar essa jornada não foi em vão. “Estou procurando uma casa para alugar lá, vou morar mesmo, sair de casa para comprar um pão na padaria, fazer o que qualquer morador faz, conviver com as rotinas, a dinâmica dos bairros, conhecer as pessoas, enfim, fazer uma imersão na cidade, ter um banho da cidade, as dores e as delícias também, pois tenho certeza que vou me enriquecer muito tanto profissionalmente como politicamente também”, avaliou.

Clécio também falou sobre as possibilidades de futuras alianças para esse projeto.

Davi

A primeira delas é a de Davi Alcolumbre (DEM/AP), que inclusive o convidou a estar em seu gabinete regional no Amapá nesse período. “O Davi trouxe uma quantidade enorme de recursos para o estado, para os municípios do interior principalmente, então como estou ligado agora a seu mandato vou poder acompanhar isso tudo de perto e ajudar também aos prefeitos e suas equipes, pois há uma grande dificuldade em relação aos projetos que habilitam os municípios a receber o recurso federal”, disse ele.

Waldez

Clécio também falou sobre a aproximação que teve com um adversário histórico, o atual governador Waldez Góes (PDT/AP), numa experiência muito intensa que foi durante o início da pandemia – ele prefeito e Waldez governador – mas não deu mais pistas sobre a extensão desta parceria num cenário de sucessão estadual.

Randolfe

Embora ache mais provável enfrentar um antigo aliado em palanques opostos, Clécio disse acalentar o sonho de uma reaproximação política com o senador Randolfe Rodrigues (REDE/AP), de quem não se considera inimigo, ao contrário, um amigo antigo que devido a circunstâncias políticas acabou se distanciando no ano passado, em meio à discussão sobre quem apoiaria para sucedê-lo na Prefeitura de Macapá.

Obras

Por fim, Clécio falou da experiência que teve como tocador de obras. Nos oito anos de mandato como chefe do Executivo, ele disse ter acompanhado as principais evoluções e aprimoramento das técnicas de construção civil, como também na abertura e pavimentação de vias. Isso vem se refletindo em obras mais céleres e ecologicamente mais corretas. “Só unidades básicas de saúde foram mais de 60 que nós entregamos, entre construção, reforma ou ampliação. Algumas já com uma nova técnica de construção, que permite entregar a obra em 50 dias em média, chamada de Steel Frame”, completou ele.

Publicidade (x)

você pode gostar também

- Publicidade -

Comentários
Carregando...