Gove Header

Amapá é o 15º que mais cura pacientes de Covid e o 2º em taxa de ocupação de UTI

Levantamento inédito aponta novos números sobre o combate à pandemia em todo o Brasil, estabelecendo relação entre os casos confirmados e os curados de Covid-19.

Lilian Azevedo, da Redação

O novo coronavírus foi detectado em 31 de dezembro de 2019, após casos registrados na China, dando assim início aos primeiros casos da doença, que passou a ser chamada COVID-19. No Brasil, o primeiro caso registrado foi na data de 26 de fevereiro deste ano e o número atual de casos confirmados no país chegou a 978.142 sendo destes 47.748 óbitos, com uma taxa de mortalidade de 22,7% e uma letalidade na ordem de 4,9%.

O vírus chegou ao Estado do Amapá com o primeiro caso registrado em 20 de março de 2020, sendo que atualmente o estado alcança a marca de 18.618 casos confirmados, sendo destes 338 óbitos, segundo o último boletim oficial divulgado pela Secretaria de Saúde (SESA).

O Amapá ocupa a 15ª colocação no levantamento nacional de pacientes recuperados a nível nacional, em um trabalho do portal ConexãoBrasília.com. O Estado começou a apresentar números positivos no combate ao covid19, atingindo a marca 46% dos casos recuperados e com o índice de letalidade em 1,87%, número abaixo do índice nacional que se encontra em 4.9%. A taxa de ocupação de leitos no Estado reduziu para 55%, o número de pessoas contaminadas pelo Covid-19 em isolamento hospitalar nas redes públicas e privadas está em 146 pacientes, dos casos confirmados 119 estão ocupando leitos públicos e 27 em rede particular.

Pessoas contaminadas e recuperados de Covid-19 nos Estados do Brasil

Estado Nº de pessoas contaminadas Nº de pessoas recuperados Porcentagem de recuperação Data de divulgação
Rio Grande do Sul 14.661 13.803 94% 17/jun
Pará 74.192 63.944 86% 17/jun
Santa Catarina 15.015 12.212 81% 17/jun
Rio de Janeiro 86.963 69.559 80% 16/jun
Amazonas 59.547 46.894 79% 17/jun
Alagoas 22.199 17.065 77% 17/jun
Ceará 84.967 62.218 73% 16/jun
Pernambuco 47.446 30.767 65% 17/jun
Distrito Federal 27.140 16.621 61% 17/jun
Tocantins 7.573 4.435 58% 17/jun
Espírito Santo 30.441 17.254 57% 17/jun
Minas Gerais 23.347 12.695 54% 17/jun
Acre 10.339 5.383 52% 17/jun
Mato Grosso do Sul 4.164 1.969 48% 16/jun
Amapá 18.618 8.528 46% 17/jun
Bahia 40.926 17.886 44% 17/jun
Maranhão 64.735 39.386 39% 16/jun
Rondônia 13.567 4.832 36% 16/jun
Sergipe 16.807 5.883 35% 17/jun
Mato Grosso 7.124 2.401 34% 17/jun
Paraná 11.085 3.294 30% 17/jun
Paraíba 31.712 7.972 25% 16/jun
Roraima 7.150 1.770 25% 11/jun
São Paulo 191.517 34.599 18% 14/jun
Goiás 12.236 2.074 17% 16/jun
Rio Grande do Norte 15.212 1.993 13% 16/jun
Piauí 11.559 734 7% 16/jun
Total 935.689 452.767

Fonte: https://covid.saude.gov.br/

Taxa de ocupação de leitos de UTI em todo o Brasil

HU conta com 33 leitos, sendo 2 de estabilização | Foto: Marcio Pinheiro/Secom

Mato Grosso do Sul – 22% em todo o estado em 16/6

Amapá – 55,38% na rede pública e 58,38% na rede privada, em todo o estado em 15/6

Paraná – 58% em todo o estado em 17/6

Tocantins – 60% dos leitos ocupados em 3/6

Amazonas – 62% em UTI Covid e 66% em UTI não-Covid em todo o estado em 16/6

Santa Catarina – 63% do sistema público em todo o estado em 17/6

Goiás – 63,7% dos leitos de gestão estadual em todo o estado em 17/6

Piauí – 65,1% em todo o estado em 16/6

Paraíba – 67% em todo o estado em 17/6

Sergipe – 67,6% na rede pública e 96,3% na rede privada em todo o estado em 14/6

Pará – 68,4% em todo o estado em 17/6

Minas Gerais – 70,5% em todo o estado em 10/6

Ceará – 72,48% em todo o estado em 17/6

Rio Grande do Sul – 72,7% em todo o estado em 17/6

Maranhão – 73,83% em todo o estado em 17/6

Bahia – 75% em todo o estado em 17/6

Mato Grosso – 76,6% em todo o estado em 17/6

São Paulo – 77,1% em todo o estado em 16/6

Rondônia – 77,4% em todo o estado em 17/6

Distrito Federal – 79% na rede privada e 60% na rede pública em 14/6

Rio de Janeiro – 80% em todo o estado em 9/6

Pernambuco – 82% em todo o estado em 17/6

Alagoas – 85% em todo o estado 17/6

Espírito Santo – 85,54% em todo o estado em 14/6

Rio Grande do Norte – 88% na rede pública e 62% na rede privada em todo o estado em 10/6

Acre – 89,5% em todo o estado em 15/6

Fonte: https://g1.globo.com/

Maior testagem e represamento de exames 

O superintendente da Vigilância em Saúde do Amapá, Dorinaldo Malafaia, explicou em entrevista à Diário FM que o índice elevado está ligado à maior capacidade de testagem. “Precisamos ter tranquilidade para interpretar esses dados. É assim: quem testa mais, identifica mais casos e tem condições de tratar rapidamente. Nós não atuamos no sentido de trabalhar esses dados de maneira alarmante, nossa interpretação acerca disso é que nós temos várias situações, uma delas é um aumento no número de testagem rápida. Quando a Prefeitura de Macapá aumenta a capacidade de atendimento nas suas unidades, a capacidade de testagem é maior; e quando o governo disponibiliza 10 mil testes rápidos, automaticamente teremos uma expansão ágil no número”, explicou Dorinaldo Malafaia.

O superintendente também afirmou que o aumento da capacidade de testagem era uma das condicionantes para a reabertura gradual das atividades econômicas nos municípios. “A Organização Mundial da Saúde orienta seis critérios que devem ser avaliados antes da flexibilização da quarentena, um deles é justamente possuir um sistema de saúde capaz de identificar, testar, tratar e isolar os pacientes e quem teve contato com estes. O segundo critério é garantir locais de trabalho com condições de proteger as pessoas, na medida em que elas retornam essas atividades comerciais. E nós observamos tudo isso para chegar ao decreto”, complementou.

Hospital Universitário (HU)

O novo espaço é uma parceria entre Governo do Amapá e a Universidade Federal do Amapá | Foto: Márcio Pinheiro

Publicidade (x)

você pode gostar também

- Publicidade -

Comentários
Carregando...