PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
Matrículas abertas para Macapá!

domingo, 18 de março de 2018

Reeleito para 4º mandato na FAF, Roberto Góes diz ver esporte como inclusão social

O deputado Roberto Góes com garotos amapaenses embarcando para o Mundial Sub-13, no Qatar, em 2017

Cleber Barbosa
Da Redação

Em suas mais marcantes passagens como cartola de futebol, o deputado federal Roberto Góes (PDT-AP) chefiou a delegação da seleção brasileira em duas edições da Copa América – 2004 e 2007 –, voltando com a taça, com moral, fama de pé quente e muito material esportivo. Tais apetrechos, utilizados em escolinhas de futebol e também nos centros didáticos de formação esportiva do Estado, são uma valiosa ferramenta de inclusão social, segundo declaração do parlamentar neste fim de semana, ao comemorar sua reeleição para presidente da FAF (Federação Amapaense de Futebol), para o quarto mandato consecutivo.
A recondução de Roberto à presidência da entidade máxima do futebol amapaense foi por aclamação, ou seja, ele não teve adversários na eleição, recebendo o apoio de 31 das 37 entidades filiadas à Federação. A chapa vitoriosa encabeçada por ele tem ainda Netto Góes como primeiro vice e Paulo Rodrigues como segundo vice-presidente.
O ex jogador Germano Tiago, que formou uma associação de ex atletas, até tentou viabilizar uma candidatura, mas não conseguiu o apoio de ao menos cinco agremiações, como exige o regulamento, para entrar na disputa. O pleito então prosseguiu normalmente, com a aclamação do nome de Roberto Góes, para o período de 2019 a 2022, tanto que ele já fala em projetos futuros.

Competições
Roberto Góes (ao centro), com os demais integrantes da chapa vitoriosa na FAF, com Paulo e Netto | Divulgação
Ele diz que tanto o mandato de dirigente de futebol como o de deputado federal ajudam a viabilizar políticas públicas que vão muito além dos estádios de futebol. “Temos conseguindo fazer gestões importantes junto ao Ministério do Esporte, como também com o Governo do Estado, que resultaram em convênios e emendas parlamentares, executados pela Secretaria do Desporto e Lazer, por exemplo, para programas e eventos como o I Festival do Desporto Cidadão, os Jogos Escolares, a Copa das Arenas, a Copa das Torcidas organizadas e o Intermunicipal”, enumera Góes.
Ele destaca que a própria filosofia dos centros didáticos de formação esportiva, é desenvolver o esporte de participação e não o de alto rendimento. “O que não significa dizer que isso não acabe por resultar na descoberta de atletas de ponta, que possam se profissionalizar”, diz o parlamentar amapaense, que diz ter como meta o incremento do esporte como ferramenta de inclusão social.
Já o bom trânsito junto à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) tem sido importante para o apoio aos campeonatos locais, regionais e nacionais que os clubes amapaense disputam, bem como garantindo outras ações como uma inédita participação de garotos do Amapá em um torneio internacional no Qatar, uma experiência de vida para os pequenos atletas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário