PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
Matrículas abertas para Macapá!

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Sarney espera que trabalho da Comissão da Verdade favoreça reconciliação nacional




O presidente do Senado, José Sarney, participou, nesta manhã, no Palácio do Planalto, da cerimônia de instalação da Comissão da Verdade, ao lado da presidente Dilma Rousseff e dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva, Fernando Henrique Cardoso e Fernando Collor. José Sarney, que foi o primeiro presidente civil (1985-90) depois do regime militar de 1964, afirmou, em entrevista, antes do evento, esperar que "através da verdade se busque uma reconciliação nacional." José Sarney afirmou ainda que a instalação da comissão significa um grande avanço da democracia. "Espero que com o trabalho da comissão seja esclarecido tudo o que passou porque a verdade tem que ser pesquisada, afirmada e reconhecida". Ele disse esperar que todas as famílias que tiveram envolvidas nesse processo - com perdas de familiares e vítimas de violência - possam conhecer os fatos que resultaram nessas perdas.


Sarney lembrou que a Lei de Acesso à Informação entrou em vigor, hoje, e que o Senado já ontem inaugurou o seu novo Portal da Transparência com instrumentos de interatividade que permitem o cidadão, além de discutir, até propor projetos de leis. Esse portal já funciona na sua versão original desde 2009, informou Sarney. O vice-presidente Michel Temer e o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, e o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ayres Britto, também estiveram presentes no evento. A comissão foi criada para investigar as violações aos direitos humanos cometidos entre 1946 e 1988. Com a instalação, o grupo terá dois anos para apresentar um relatório com as conclusões e recomendações sobre os crimes cometidos.


O jurista José Paulo Cavalcanti, que é um dos sete membros da Comissão da Verdade, assumiu o Ministério da Justiça durante o Governo Sarney, depois de servir como secretário executivo do ministro da Justiça Fernando Lyra. Os outros membros são: Ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Gilson Dipp; ex-ministro da Justiça, José Carlos Dias; advogada Rosa Maria Cardoso da Cunha; ex-procurador-geral da República, Cláudio Fonteles; sociólogo Paulo Sérgio Pinheiro e a psicanalista Maria Rita Kehl.

Secretaria de Imprensa da Presidência do Senado

Nenhum comentário:

Postar um comentário